Poeta Gustavo Dutra

Sobre Gustavo Dutra

Nasceu no Rio Grande do Sul, na cidade de São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre aos 22 dias de Janeiro de 1990. Publicou algumas poesias ainda no tempo de colégio em publicações da própria escola.

Seus versos orbitam suas percepções e suas indagações sobre a vida e a morte. No primeiro livro, "Introversos: versos da cabeça de um introvertido", fala sobre a vida no casulo, onde não é nem a lagarta - que representa o mundo real, cru, nojento, feio -, nem a borboleta - que é pura ilusão, feito felicidade e sucesso.

Capa do Livro de poesias Introversos: versos da cabeça de um introvertido
Comprar E-Book
Vendido na loja Kindle da Amazon.
Comprar Livro
Vendido no Clube de Autores.

INTROVERSOS:
versos da cabeça de um introvertido

Longe de mim querer dizer ao estimado leitor como fazer seu próprio trabalho, porém, dou aqui alguma informação que talvez lhe seja útil na hora de ler o presente material: Introversos é um livro que se passa na cabeça de um introvertido; cada poema é um fragmento de uma sensação, é um momento, é uma conclusão, uma epifania. Portanto, para entender a linha de raciocínio que se constrói na cabeça do dito introvertido, é interessante seguir sequencialmente na leitura, um a um, um após o outro.

Claro que deixo à escolha do leitor decidir se quer ou não seguir as instruções, pois pode ele pensar muito mal a respeito daquele que escreve, afinal, qual a graça da interiorização da obra se a ela já vem com manual?

Bom, se acaso aprouver ao leitor experimentar a obra seguindo apenas seus próprios instintos e vontades, que este ignore o supracitado e foque apenas nas seguintes palavras arranjadas da seguinte forma:

Se a borboleta representa a felicidade, a beleza no mundo, também representa as ilusões e idealizações construídas para que o mundo pareça realmente belo; já a lagarta, na nojeira e feiura de si, está mais para a realidade, a vida como ela realmente é.

O introvertido, na medida que vê o mundo externo aos seus olhos, internaliza e, ao internalizar, cria seu próprio mundo. Um mundo à parte, um mundo só seu, que só existe em sua cabeça, que fica entre a lagarta e a borboleta.

Meus contatos

Além dos livros, também escrevo em outros sites, principalmente no Medium e no blog da Plataformatec, onde trabalho.